sábado, 20 de junho de 2009

Lágrimas de um poeta

As questões da vida;
Os padrões da vida;
O que dizer?
De onde veio?
Nem tenho forçar para dizer...

O poeta nunca morre,
Mas, no medo, ele se esconde,
Esconde, sofre e chora.

Venho a dizer que,
Esse poema, marca muito.
Marca as minhas lágrimas,
As lágrimas de um poeta.
Um alguém que só sabe amar,
Amar, amar e amar.

Me perdoe Deus por as vezes desistir,
Sei que não devo,
É preciso seguir.
Mas, essa vida literária não existe.
E, tudo isso pode não passar de...
Um sonho.

Infelizmente tenho que dizer,
Uma lágrima desceu!
Este sim,
Pode ser o meu adeus.

John

Nenhum comentário:

Postar um comentário