domingo, 28 de agosto de 2011

Minha Mulher

Quando você vem, minha boca saliva de desejo,
Nos teus seios fartos, rijos, morro por um beijo,
Crio um atrito, um afago, um carinho, um olhar;
Em suas curvas me encanto! soa seu perfume no ar.

Por tua boca minha boca tateia imensamente,
Num acorde inenarrável e intenso da pele fervente,
Grito! Tentando me expressar por toda ofegância,
Busco agradá-la no máximo, me souo de ganância.

Confesso que me perdi no caminho de seu prazer,
Na menina colorida, moça transparente, irrelusente e atraente;
Na batida perfeita, coerente, que seu corpo, no meu corpo pode ter.

Já sei que seu amor me torna puro, contente;
Que o contorno exato de seus lábios pode ver,
E que minha alma, sem recusa, se renderá eternamente.

John

Nenhum comentário:

Postar um comentário